medicina de precisão

Como percebemos o potencial da medicina de precisão?

Medicina de Precisão

A mudança rumo à medicina de precisão

A prática clínica está mudando para a era da medicina de precisão, em que os insights moleculares permitem que o tratamento seja personalizado ao perfil genômico único do tumor de um paciente.1–3 O tratamento do câncer torna-se cada vez mais complexo, à medida que genes mais específicos são identificados e as opções de tratamento aumentam.4–8 Em 2017, havia mais de 700 moléculas em estágio avançado de desenvolvimento, 90% das quais eram tratamentos direcionados.9 Uma abordagem em evolução para diagnósticos clínicos e tomada de decisão é exigida, se quisermos administrar essa complexidade crescente e perceber o potencial da medicina de precisão.4,10

QuimioterapiaO câncer é tratadoprincipalmente de acordo com a sua localizaçãono corpo Medicamentos DirecionadosA terapia para câncer éselecionada com base tanto no órgão quanto nobiomarcador Tratamento PersonalizadoOs insights moleculares permitem que o tratamento sejapersonalizado para o perfil genômico exclusivo do tumorde um paciente Com Base em Órgão Biomarcador Estratificado Medicina de Precisão 1990 2000 2010 2020 2030 1980
Insights Genômicos

Registro de insights genômicos clinicamente relevantes

Existem quatro classes principais de alterações genômicas: substituições de bases, inserções ou deleções, alterações do número de cópias e rearranjos gênicos. Porém, as atuais abordagens diagnósticas estão à altura da tarefa de identificar todas elas? Testes de biomarcadores únicos, usando técnicas diagnósticas comuns, como PCR/Imuno-Histoquímica/FISH e testes hotspot multigenes por NGS, correm o risco de deixar de detectar alterações genômicas que podem ser críticas para os planos de tratamento dos pacientes.4,11–13

Além disso, biomarcadores pantumorais complexos, como a carga de mutação tumoral (TMB) e a instabilidade de microssatélites (MSI), podem fornecer insights valiosos adicionais para ajudar a personalizar os planos de tratamento. Foi mostrado que a MSI prevê a resposta à imunoterapia e a TMB está emergindo como um biomarcador potencial para benefício clínico enriquecido com a imunoterapia.14–19 Entretanto, a TMB e a MSI só podem ser medidas juntas de forma efetiva com perfis abrangentes do genoma do tumor.14,15

Carga de mutação tumoral Instabilidade de microssatélites Rearranjos Alterações do número de cópias Inserções e deleções Substituições de bases Biomarcadores pantumorais complexos MSI TMB Quatro classes principais de alterações genômicas
Abordagem Diagnóstica em Evolução

Uma evolução no diagnóstico e na tomada de decisão clínica

A garantia de que os pacientes que apresentam câncer possam se beneficiar com as mais recentes inovações no tratamento requer uma abordagem evolutiva para o diagnóstico clínico e a tomada de decisão, a qual:

✓   Identifica alterações e assinaturas genômicas clinicamente relevantes

✓   Corrobora a tomada de decisão clínica

✓   Personaliza os planos de tratamento dos pacientes

O perfil genômico abrangente é importante para garantir que os pacientes possam se beneficiar com as mais recentes inovações no tratamento.1,10,20

“As diretrizes da NCCN aconselha fortemente o perfil molecular mais amplo
(também conhecido como medicina de precisão)”

Diretrizes da NCCN para CPNPC Versão 5, 201820

“Os painéis multiplex de sequenciamento genético são preferíveis, quando disponíveis, a múltiplos testes de gene único para identificar outras opções de tratamento além de EGFR, ALK, BRAF e ROS1.”

Aprovação da ASCO das diretrizes da CAP/IASLC/AMP para câncer de pulmão, 201821,22

AMP, Association for Molecular Pathology (Associação de Patologia Molecular). American Society of Clinical Oncology (Sociedade Norte-Americana de Oncologia Clínica). CAP, College of American Pathologists (Faculdade Norte-Americana de Patologistas). FISH, hibridização fluorescente in situ. IASLC, International Association for the Study of Lung Cancer (Associação Internacional para Estudo do Câncer de Pulmão). IHQ, imuno-histoquímica. MSI, instabilidade de microssatélites. NCCN, National Comprehensive Cancer Network (Rede Nacional Abrangente para Câncer). NGS, sequenciamento de nova geração. CPNPC, câncer de pulmão de não pequenas células. PCR, reação em cadeia da polimerase. TMB, carga de mutação tumoral.
Referências
  1. Rozenblum AB et al. J Thorac Oncol 2017; 12: 258–268.
  2. Schwaederle M, Kurzrock R. Oncoscience 2015; 2: 779–780.
  3. Mansinho A et al. Expert Rev Anticancer Ther 2017; 17: 563–565.
  4. Frampton GM et al. Nat Biotechnol 2013; 31: 1023–1031.
  5. Drilon A et al. Clin Cancer Res 2015; 21: 3631–3639.
  6. Hirsch FR et al. Lancet 2016; 388: 1012–1024.
  7. Baumgart M. Am J Hematol Oncol 2015; 11: 10–13.
  8. Chakravarty D et al. JCO Precis Oncol 2017; doi: 10.1200/PO.17.00011. 
  9. Global Oncology Trends Report 2018. Report by IQVIA Institute for Human Data Science. Available at: https://www.iqvia.com/-/media/iqvia/pdfs/institute-reports/global-oncology-trends-2018.pdf (Accessed March 2019).
  10. Gagan J, Van Allen EM. Genome Med 2015; 7: 80.
  11. Schrock AB et al. Clin Cancer Res 2016; 22: 3281–3285.
  12. Rankin A et al. Oncologist 2016; 21: 1306–1314.
  13. Suh JH et al. Oncologist 2016; 21: 684–691.
  14. Chalmers ZR et al. Genome Med 2017; 9: 34.
  15. Goodman AM et al. Mol Cancer Ther 2017; 16: 2598–2608.
  16. Le DT et al. N Engl J Med 2015; 372: 2509–2520.
  17. Johnson DB et al. Cancer Immunol Res 2016; 4: 959–967.
  18. Rizvi H et al. J Clin Oncol 2018; 36: 633–641.
  19. Hellmann MD et al. N Engl J Med 2018; 378: 2093–2104.
  20. NCCN Clinical Practice Guidelines in Oncology (NCCN Guidelines). Non-Small Lung Cancer. V.5.2018, 2018. Available at: https://www.nccn.org/professionals/physician_gls/recently_updated.aspx (Accessed March 2019).
  21. Kalemkerian GP et al. J Clin Oncol 2018; 36: 911–919.
  22. Lindeman NI et al. J Mol Diagn 2018; 20: 129–159.